A Importância da Atenção no Processo de Observação e Perceção – Necessidades Humanas e Traços de Personalidade

E as necessidades humanas? Poderão estas influenciar o que percebemos e como? Clara que podem. Uma das recomendações racionais relacionadas com a gestão das finanças pessoais é a de que não se vá às compras quando se está com fome. Porquê? Porque existe uma forte probabilidade de comprar mais comida do que a necessária. Isto resulta do fato de uma pessoa com fome ir dar mais atenção à comida, estando na posse de um aguçado sentido de olfato. Esta situação está relacionada com necessidades maiores? Acontece que sim. Se uma pessoa gostar especialmente de música, irá dar mais atenção a esta onde quer que esteja, isto é, diferenciando-a de outros sons ou ruídos. Aqueles que adoram livros poderão concentrar-se apenas neles ao entrar numa livraria ou biblioteca, negligenciando outros estímulos.

As situações nas quais reagimos de forma distinta aos diferentes estímulos estão também relacionadas com os traços de personalidade e estes aplicam-se às situações em que as impressões terão que ser reconstruídas no cérebro. Por exemplo, algumas pessoas com a denominada personalidade preto no branco (e em casos extremos personalidade limítrofe), não terão a capacidade de ver a ambiguidade em situações ou fenómenos complexos.

Os traços de personalidade condicionam, também, os preconceitos. Para alguns, uma cor de pele diferente não será razão para perceber a pessoa de forma diferente (inferior), enquanto que para outros será.
Quando analisar as suas competências de observação e perceção, vale a pena considerar os diferentes fatores que as poderão condicionar.